quinta-feira, 24 de março de 2011

RECONSTRUINDO A HISTÓRIA LOCAL


Nildo Inácio e Josué de Souza
           

            No último dia 18 março, o historiador Edison Lucas Fabrício defendeu, no Programa de Pós-graduação em História da Universidade Federal de Santa Catarina, sua dissertação de mestrado. “A produção do espectro comunista: imprensa, política e catolicismo”. O trabalho reconstrói a produção do imaginário anti-comunista na cidade de Blumenau no período imediatamente anterior ao golpe de 1964. A construção deste imaginário utilizou signos e símbolos como forma de estigmatizar o comunismo como algo nocivo a sociedade e seus adeptos eram retratados como homens irracionais, imorais e ateus..
            A pesquisa é construída a partir de riquíssimas fontes primárias, com textos de jornais da época, fotos, entrevistas e documentos dos Inquéritos Policiais Militares. Fabrício utiliza, no decorrer do trabalho, de conceitos que lhe propiciam uma leitura crítica da realidade, citando autores como Pierre Bourdieu, Jurgen Habermas, dentre outros nomes importantes da teoria da história, da filosofia e sociologia, demonstrando, pois, desmedida bagagem teórica.
            Superando o mito da neutralidade científica, o autor marca as entrelinhas do texto com preocupações de caráter humanitário, sobretudo com relação ao rompimento das diversas relações sociais dos comunistas de Blumenau por ocasião da repressão ideológica da década de 60, onde muitos foram presos, demitidos, exilados. Com bastante precisão, conclui o autor:

“O imaginário anticomunista em Blumenau na conjuntura do golpe de 1964 produziu símbolos e mitos que foram capazes de congregar grande parte da população em torno do combate ao ‘perigo vermelho’ (Fabrício)”.

Tivemos a enriquecedora oportunidade de acompanhar a produção do  trabalho, pelo que agradecemos e parabenizamos.

Um comentário:

  1. Parabéns Josué... por referendar o bonito trabalho de pesquisa do historiador Fabrício

    ResponderExcluir