terça-feira, 21 de junho de 2011

Cléber está esperando uma família

Josué de Souza
           
            Já é junho de dois mil e onze e o inverno chegou com toda força. O relógio na parede já aponta duas e trinta da madrugada e Cléber ainda não conseguiu dormir. Puxou a coberta para aquecer-se do frio, acomodou-se melhor na cama na tentativa de aquecer-se e pegar no sono. Os pensamentos e a preocupação com o futuro teimam em não deixar o sono chegar.
            Lá se vão quatro anos que está vivendo no Abrigo. Quando chegou tinha apenas seis. Daquele tempo, guarda apenas tristes lembranças. Algumas delas lhe foram companheira hoje, durante a madrugada. Lembra-se da mãe, mulher guerreira, que do seu modo tentou lhe proteger como pode e foi assim que a viu pela ultima vez, quando ela decidiu enfrentar o padrasto bêbado que teimava em espancá-los. Naquele dia o padrasto cumpriu a promessa de matá-la. Correu como pode até encontrar um adulto que chamou a Polícia e o Conselho Tutelar.
            Do pai, nunca teve notícia. Acredita que nem a mãe sabia quem era, e do padrasto nunca mais ouviu falar, mas também não gosta de falar disto. Gosta de pensar no dia que seus novos pais chegarão para levá-lo para sua nova casa. As vezes fica pensando e sonhando como seriam.
            Garoto experto, sabe que cada dia que passa, fica mais difícil para isto acontecer. Já percebeu que as famílias que vêm adotar gostam de crianças pequenas e garotos como da idade dele normalmente não são adotados. Mas, mesmo assim, não perde a esperança, gosta de lembrar do que fala Assistente Social: “Toda criança ou adolescente tem direito a ser criado e educado no seio de uma família, livre de qualquer forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade ou opressão”.
            Assim, pensando, Cléber foi vencido pelo sono, dormiu ele e mais 80 mil crianças no Brasil que vivem em instituições de acolhimento, muitas aguardando adoção. Esperam ansiosamente por família que às amem incondicionalmente.  Quem se habilita?

quinta-feira, 9 de junho de 2011