segunda-feira, 11 de junho de 2012

A Ilha do Paraíso


Josué de Souza

A Ilha do Paraíso é na verdade um arquipélago banhado por cinco oceanos. Criada por um poeta, na sua fundação, a ilha possuía uma beleza incomparável, era o que hoje chamamos de paraíso ecológico. Os cuidados da ilha, o artista delegou aos homens. Tudo na ilha funcionava em harmonia, como em uma grande orquestra.  Todos os dias o poeta visitava sua criação, gostava de apreciar a sua beleza e conversar com seus moradores. Deles não cobrava nada, apenas que desfrutassem da beleza de sua criação, que preservassem e que tratassem um ao outro como a si mesmo.
Porem, certo dia, os moradores se deixaram levar pela ganância, queriam tornar-se igual ao criador e fazer tornar a Ilha do Paraíso sua propriedade. Achavam que podiam sozinhos interferir na criação do poeta. Entristecido, o poeta se afastou. Sozinhos, os moradores começaram a tratar a ilha de forma utilitária. Diminuíram as matas, desviaram os rios, mataram peixes e animais. Enganados pela mesma ambição que os afastou do criador, construíram cercas a fim de dividir a ilha em propriedades.
Mais tarde, o poeta enviou seu filho à ilha. Um marceneiro, que em suas mensagens falava em dividir o pão, amar o próximo e ser humilde como uma criança. Apaixonado pela ilha, como o pai, vivia sempre próximo à natureza. Fez até amizade com um grupo de pescadores. Seu objetivo era mostrar que seu pai desejava reatar a sua relação com os homens, e isto significava também modificar a relação deles com a natureza. Porem os moradores não compreenderam, colocaram-no em uma cruz.
Hoje a ilha está cansada, e nem de longe lembra aquele paraíso dos tempos da criação. Seus recursos estão esgotados. As montanhas estão desmoronando, os rios transbordando e as florestas tornando-se desertos. A Ilha ameaça agora entrar em colapso e assim coloca em risco a existência de todos os homens. Estes, cegos pela ganância, continuam explorando um ao outro e destruindo o que resta da criação do poeta.
O Criador e seu filho aguardam pacientemente que os moradores da ilha, compreendam sua mensagem, se arrependam de seus pecados, não somente os morais, mas também os pecados sociais.  Que amem uns aos outros como a si mesmo (Rm 13: 8). Que não de ao lucro e a propriedade um status divino (Tm 6:10). Que cuidem e valorizem a Ilha do Paraíso como uma obra de arte do criador, que é única, que ele colocou em nossas mãos para guardá-la (Gn 2:15).


Texto publicado originalmente no Jornal da IEAD Blumenau http://www.ieadblu.com/materias/a-ilha-do-paraiso

segunda-feira, 4 de junho de 2012

Tarde de autografo com Urda Alice Klueguer


A Livraria BluLivro e a Editora Hemisfério Sul estarão realizando uma tarde de autografo com a escritora Urda Alice Klueger possui um livro que reúne uma coletânea de crônicas de amor que chama  Trinados para o meu Passarinho. O evento será no dia dos namorados, dia 12 de Junho Blulivro na rua XV de Novembro, 819 – Centro de Blumenau.